Buriti Alegre ganha Colégio Tecnológico para fortalecer produção de banana-prata-anã

O Arranjo Produtivo Local (APL) de Bananicultura recebeu mais um impulso para o desenvolvimento com a inauguração do Colégio Tecnológico (Cotec) de Bananicultura de Buriti Alegre, nesta quarta-feira, dia 31, por meio da parceria entre o Governo de Goiás, via Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Agricultura e Pecuária (SED), a Fundação Banco do Brasil e o APL de Bananicultura.

O evento contou com a participação do secretário Francisco Pontes, titular da SED, do prefeito de Buriti Alegre, André Chaves, do gerente da agência do Banco do Brasil no município e da presidente do APL de Bananicultura, Márcia Cardoso, entre outros convidados.

Francisco Pontes destacou a importância dos diretores e presidentes das cooperativas e associações de hortifrutigranjeiros e da presidente do APL de Buriti. “Sei o quanto é difícil mobilizar as pessoas, mesmo que seja para o bem comum, ninguém quer participar de reuniões, discutir, mas é dessa forma que as ideais florescem, se transformam em projetos e depois realidade. Parabenizo vocês por este trabalho, e este espaço e equipamentos são resultados deste esforço conjunto”, frisou Pontes.

O prefeito André Chaves aproveitou para informar que, por meio de convênio com o Governo de Goiás, com o Programa Goiás na Frente, a prefeitura realizará em breve a pavimentação da rua onde fica o Cotec, entre outras do município. “Sabemos que o asfalto também vai colaborar com o processo de higienização e chegada dos produtos”, completou o prefeito.

Presidente do APL destacou a relevância do APL de Bananicultura de Buriti Alegre para Goiás. “Somos o maior produtor de banana-prata-anã do Estado. Somos pequenos produtores, mas produzimos a banana que a maioria dos goianos tem na mesa” frisou Márcia.

Com recursos na ordem de R$ 147 mil do Governo de Goiás, foi adquirida uma máquina que tem como função lavar e higienizar as caixas de transporte das bananas. A máquina tem capacidade de realizar este processo em 400 caixas por hora. Esta aquisição beneficia diretamente o produtor. Antes este processo era realizado em Goiânia ou Uberlândia, onde se há o oferecimento deste tipo de serviço. A previsão é atender 68 produtores.

“Esta máquina é muito importante para nós, produtores. Vai melhorar a logística e diminuir custos. Pois não teremos mais que arcar com gastos com transporte das caixas até Goiânia e ainda pagar pelo serviço de higienização. Esperamos ainda, que acredito chegará em breve, duas máquinas de desidratação e um caminhão para nosso APL”, completou a presidente do APL.

Além disso, no local, construído com recursos da Fundação Banco do Brasil e contrapartida do APL, existem três câmaras frias para armazenamento de produtos, além de espaço que pode ser usado para reuniões e treinamentos.

Comunicação SED

Fonte: Goiás Agora